Se você deseja seguir uma carreira pública no Direito, mas com uma vivência diferenciada, certamente já pensou em ser Diplomata, não é mesmo? A diplomacia proporciona experiências riquíssimas para o(a) profissional na convivência com outros povos, culturas e costumes. Quer saber qual o caminho para ser um(a) Diplomata? Acompanhe este blogpost que a FMP preparou especialmente sobre o tema.

Ser Diplomata

O Diplomata é um servidor público federal que representa o Brasil perante as outras nações. Dentre as principais funções do Diplomata está a negociação de acordos internacionais, promoção dos interesses comerciais brasileiros, estabelecimento de relações culturais e econômicas entre o Brasil e outros países, além de apoio a brasileiros em viagem ou que vivem no exterior. 

Portanto, para ser Diplomata, é importante que o candidato tenha interesse por conhecer (e entender) outras culturas, abertura e curiosidade para novas experiências de vida e flexibilidade para se adaptar a novas realidades — sempre mantendo o compromisso de representar os interesses do seu país. 

Como iniciar na carreira

Para ser Diplomata, o candidato deve ser brasileiro nato, ter formação de nível superior em qualquer área do conhecimento e ser aprovado no Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) promovido anualmente pelo Instituto Rio Branco. 

O concurso é extremamente exigente e concorrido, tendo milhares de candidatos para poucas dezenas de vagas todos os anos. O certame de ingresso na carreira de diplomata é composto por três fases: 1) prova objetiva com questões referentes à história do Brasil e do mundo, Língua Portuguesa, Geografia, Política Internacional, Direito e Economia, além da Língua Inglesa, de caráter eliminatório; 2) prova dissertativa de Língua Portuguesa e de Língua Inglesa, de caráter classificatório e eliminatório e 3) prova escrita contendo as seguintes disciplinas: História do Brasil, Geografia, Política Internacional, Inglês, Noções de Direito, Direito Internacional Público e Noções de Economia, além de prova objetiva de Espanhol e Francês.

Importância da formação acadêmica em Direito para a Diplomacia

Conforme explicitado, a carreira de Diplomata não exige formação específica. Entretanto, alguns cursos superiores se destacam por abordarem algumas das disciplinas exigidas no concurso e na futura rotina de trabalho. Dentre as principais graduações para quem tem a diplomacia como objetivo profissional está o Direito, área de formação abrangente e humanista, competências essenciais para futuros Diplomatas. 

Todos os ramos do Direito contribuem enormemente com a prática da diplomacia, em especial as disciplinas básicas, como a Teoria Geral do Direito e o Direito Internacional Público. Porém, mais do que as matérias abordadas no curso, a diplomacia exige habilidades interpessoais de negociação, persuasão, resolução de conflitos e um compromisso genuíno com a proteção dos direitos e interesses do país. 

Gostou de saber mais sobre a carreira de Diplomata? Aqui, no blog da FMP, você tem acesso aos melhores conteúdos do mundo jurídico. Continue nos acompanhando. 

Leia também: Tudo de que você precisa para fazer um concurso público pela 1ª vez

FMP - Fundação Escola Superior do Ministério Público
Autor

Somos a Fundação Escola Superior do Ministério Público (FMP), criada em 1983 por Promotores e Procuradores de Justiça do Estado do RS. Somos uma instituição de ensino privado com foco absoluto no Direito e especializada no ensino jurídico. Há mais de 35 anos preparamos e qualificamos estudantes e profissionais da área jurídica.

Escreva um comentário